Eurocidade do Guadiana encara rede de emprego como solução a médio prazo

0
29

A VI edição da «Volta a Portugal no Apoio ao Emprego» teve lugar no dia 16 de novembro na Biblioteca Municipal Vicente Campinas. A palestra teve como intuito informar e promover as diversas oportunidades disponíveis em termos de formação profissional, estágios, empregos, criação de empresas, projetos de solidariedade em Portugal e nos países da União Europeia. Esta atividade pretendeu dotar os jovens de conhecimentos e ferramentas para que conseguissem novas saídas profissionais, criando de igual modo a possibilidade de gerirem as suas carreiras.

Eurocidade do Guadiana pretende criar redes de emprego

Luís Romão, vice-presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, destacou a importância da Eurocidade do Guadiana [Vila Real de Santo António, Castro Marim e Ayamonte], também ao nível do emprego, uma vez que há que desenvolver “perspetivas novas de emprego, dentro daquilo que é o nosso território”. Também diretor da Eurocidade do Guadiana, Luís Romão refere que o potencial de uma rede de emprego é um projeto que faz sentido e que será uma solução a médio prazo.

Eures –Transfronteiriço, ofertas de emprego entre Algarve e Andaluzia

Álvaro Araújo, Diretor Adjunto do Serviço de Emprego de VRSA do Centro de Emprego e Formação Profissional de Faro, representante do IEFP/Rede Eures apresentou o «Eures –Transfronteiriço» (rede Algarve-Andaluzia). Explicou que este instrumento pretende auxiliar os desempregados a encontrar trabalho, disponibilizando um conselheiro Eures, Vitor Martins, que se encontra no Centro de Emprego de Vila Real de Santo António e uma técnica do Eures-Transfronteiriço, Margareth Lopes, técnica afeta à associação Odiana, mas a desempenhar funções em Faro, deslocando-se uma vez por semana ao centro de emprego da cidade pombalina. O objetivo do Eures é tentar encontrar soluções de emprego para os dois lados da fronteira [veja aqui]

Rede europeia de emprego abarca 32 países

Natália Torégão, conselheira Eures informou o que a Rede Eures é uma rede de serviço de emprego, coordenada pela União Europeia, que promove a mobilidade de trabalhadores e abarca 32 países. A conselheira declarou que atualmente ir trabalhar para o estrangeiro exige alguns conhecimentos extra, tais como, a aprendizagem da língua do país de origem, o conhecimento do mercado de trabalho e quais os procedimentos para se candidatar ao emprego. Natália T. referiu ainda que a rede Eures oferece emprego no espaço da União Europeia e dá informação em diversas áreas tais como: condições de vida; condições de trabalho; segurança social e impostos. Existem também ofertas de formação, estágios, voluntariado e para trabalhos de investigação. Os candidatos podem registar-se e colocar o Curriculum para serem contatados por empresas. O Eures dá apoio aos candidatos a emprego e também às entidades empregadoras. O Eures transfronteiriço Andaluzia-Algarve funciona do mesmo modo que o da Europa, mas localizado nesta região. Eures europa: (https://www.iefp.pt/eures); (https://www.europeanjobdays.eu/es); https://www.europeanjobdays.eu/workinportugalhttps://ec.europa.eu/eures/public/pt/homepage

Centro Europe Direct fornece informação sobre a União Europeia

Catarina Cruz, Diretora da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve, explicou que o Centro Europe Direct do Algarve é um centro que fornece toda a informação sobre a União Europeia. A responsável explicou que o evento que teve lugar em VRSA é uma oportunidade para obter conhecimento sobre diversos meios de encontrar vagas de emprego, bem como adquirir competências diversas. https://www.ccdr-alg.pt/site/info/ed/europe-direct-algarve

Estágios Profissionais de 9 meses: conheça as regras

Sandra Mendes, do IEFP (Instituto de Emprego e Formação Profissional de Vila Real de Santo António), divulgou estágios profissionais de 9 meses, dirigidos, essencialmente, aos jovens que concluíram os seus estudos e que vão ter a sua primeira experiência profissional [18 a 30 anos, com o 12º e outros graus académicos superiores]. Sublinhou, no entanto, que para se candidatarem os jovens têm que estar inscritos no IEFP. Para quem tem mais de 30 anos, é necessário estar inscrito no IEFP há mais de 12 meses. Todos aqueles que só têm o 9º ano precisam de estar inscritos no «Qualifica» (o antigo centro de novas oportunidades). No final do estágio haverá lugar a uma avaliação. Existem também projetos de apoio ao empreendedorismo, aos quais os candidatos podem apresentar as suas propostas, mas, para tal, necessitam de ter know how sobre o negócio, ou seja, o conhecimento sobre a área, quer seja através de formação académica ou de cursos profissionais, havendo a necessidade do projeto apresentar viabilidade financeira. O IEFP disponibiliza apoio gratuito para criar o plano de negócio [leia mais aqui].

CRIA – Universidade do Algarve na ajuda à criação de Empresas

José Júlio Gonçalves, do Cria, da Universidade do Algarve referiu qual o tipo de apoio que o setor do empreendedorismo tem para a criação de empresas. O cria é uma instituição disponível para receber qualquer projeto empresarial, auxília na criação de um plano de negócios e permite conhecer possíveis investidores e entidades. A universidade tem uma pré-incubadora de empresas (tem 45 novas empresas sedeadas nas suas instalações, mas que precisam ter ligação à Universidade).

Erasmus para aprender um negócio com alguém experiente

Hugo Vieira, Diretor da Associação Nacional de Jovens Empresários ou Anje, explicou que a associação pode ajudar a criar Planos de Negócio, bem como fazer contatos com outros empresários, com possíveis investidores e auxiliar na «injeção» de capital. A Anje tem 11 centros de incubação de empresas, quando a ideia do projeto já está «madura». Hugo Vieira apresentou o «EYE – Erasmus para novos empreendedores», que é a possibilidade de circular no espaço europeu e adquirir competências para gerir o seu negócio. Permite conhecer novos mercados e outras realidades, sendo a estada financiada pela União Europeia. A vantagem deste programa passa pela possibilidade de aprendizagem em contexto de trabalho no estrangeiro em empresas já consolidadas. Não há limites de idade imposto aos candidatos. Requisitos passam pela apresentação do plano de negócios, e caso já tenha criado a sua empresa, esta não deve ter mais de 3 anos. Leia aqui.

O potencial do programa «Espoban»

O empresário Hugo Vieira, por sua vez, mencionou o programa «Espoban» que abrange o Algarve, Alentejo e Andaluzia e junta futuros empresários com ideias de negócios a investidores. Este projeto tem como objetivo promover a criação de outras formas de emprego e pretende formar empreendedores, ensinando a criar um plano de negócio, dando formação, consultadoria, preparando os empreendedores para que estes apresentem os seus projetos aos potenciais investidores. Não existe limite de idade e as candidaturas são online, para empreendedores e investidores [aqui].

 

 

 

 

Publicidade
Partilhar
Carmo Costa
Maria do Carmo Costa nasceu no Monte do Estoril, estudou e viveu alguns anos em Lisboa, mas atualmente vive em Espanha. É licenciada em Ciências da Comunicação e tem Mestrado em Relações Interculturais. Estudou inglês e espanhol em institutos de línguas. Frequentou o Curso de Fotografia, realizado pela Associação Um Quarto Escuro de Vila Real de Santo António. Publicou ebooks na Amazon, um de culinária, denominado “Bebidas Quentes e Saborosas: Receitas Caseiras e Fáceis” (versão inglesa e espanhola); publicou também ebooks infantis, tais como, “Aprender os Números com o Putchi” (versão inglesa e espanhola); “Aprender as Formas Geométricas com o Putchi” (versão inglesa e espanhola); “Aprender as Cores com o Putchi”; “As Aventuras de um Copo de Chá”; “Carol, The Flower that Dreamed to Fly”; “Uma Aventura de Natal”. Participa no grupo “Poetas do Guadiana”, onde declama poemas de sua autoria e de outros autores.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.