Setor público e setor privado empenhados na valorização do «Ouro Branco de Castro Marim»

0
38

Através de verba dos fundos comunitários da União Europeia há um conjunto de ideias que a câmara municipal tem conseguido colocar em prática de modo a valorizar o sal e flor de sal de Castro Marim. A garantia é deixada em nota de imprensa desta terça-feira o que mostra o setor público, a par de um setor privado, com uma aposta cada vez mais neste recurso endógeno considerado por muitos o «ouro branco», sendo que há quem afirme que estamos a falar do «melhor sal do mundo». Da parte da câmara municipal pode ler-se num comunicado que devido a “aposta firme na promoção e valorização do sal e flor de sal tradicional” a edilidade “concretizou algumas candidaturas, já aprovadas, no âmbito do PO CRESC ALGARVE 2020 e do MAR 2020”.

É de recordar que a autarquia colocou há uns anos “o sal de Castro Marim à mesa de novas dezenas de restaurantes nacionais e internacionais é um dos principais objetivos da candidatura «Patrimónios de Castro Marim: Valorização e Promoção de Produtores Locais e Produtos Endógenos», comparticipada pelo PO CRESC 2020, projeto PADRE, apoiada por Portugal e União Europeia, cofinanciada a 70% pelo FEDER”.

Mas, para além disso “as ações de valorização do sal e da flor de sal de Castro Marim passam pela iniciativa «Sal de Castro Marim à Mesa dos Restaurantes», pela realização de uma Feira do Sal, em época alta, por uma Rota Gastronómica, mas também por estimular a comercialização através da realização de Business Trips internacionais”, garante também a autarquia.

Pelas palavras da vice-presidente da câmara municipal castromarinense tratam-se de ações que permitem “realçar as qualidades globais dos produtos tradicionais, potenciando o desenvolvimento destas atividades e o aumento das cadeias de distribuição. Ao nível da comercialização, as business trips permitem que se encetem novos laços e canais de distribuição internacionais, bem como a visita a mercados análogos para assimilar conceitos e ideias de negócio afetas aos recursos em questão”.

A edilidade lembra ainda que “com um caráter mais documental e patrimonial, a autarquia desenvolveu a candidatura «Salineiro – Uma profissão», apoiada no âmbito do programa MAR2020, cofinanciada a 85% pelo FEAMP. Daqui nasceu o documentário «Os Dias do Sal», apresentado publicamente este verão e que nos revela de uma forma muito autêntica a identidade castromarinense, profundamente ligada à exploração do sal, e que vai muito além da explanação da atividade salineira, procurando descortinar o sal que há nas vidas de quem entrega a vida ao sal”.

A importância do espaço «Casa do Sal» na cultura castromarinense

A câmara municipal de Castro Marim tem, desde janeiro de 2013 e cedido pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, o edifício da Casa do Sal e uma salina destina à valorização e promoção da atividade salícola, cuja exploração é realizada numa vertente predominantemente pedagógica relacionada ao sal, flor de sal, atividade salineira e profissão de salineiro. Tal como sublinha a câmara municipal são iniciativas desenvolvidas pela empresa municipal Novbaesuris com fins educacionais, sendo a parceria inserida no âmbito do contrato-programa entre as duas entidades. Não menos importante será referir que a Junta de Freguesia de Castro Marim há dois anos a esta parte desenvolve uma iniciativa pioneira naquele espaço e que tem levado a cabo a construção de um presépio de sal que nas duas edições atraiu milhares de visitantes. O fator inovação aliado à autenticidade do produto-rei deste presépio marcaram a diferença e limaram o sucesso. Se juntarmos a isso tivermos em conta que durante os dias em que o presépio esteve patente ao público o sal vendido excedeu largamente as expectativas, de acordo com os dados da empresa municipal, demonstra bem a potencialidade deste produto.

Sal de Castro Marim: DOP e Certificação biológica são prioridades

Tal como foi possível constatar na tertúlia realizada pelo nosso jornal com a Novbaesuris o processo para a aprovação da DOP [Denominação de Origem Protegida] está sob olhares atentos de quem opera no mercado salineiro castromarinense. O processo tem sido liderado pela câmara municipal que assessorada tecnicamente por entidades externas terá para breve o término do processo que, por sua vez, está em vias ser submetido por um agrupamento de produtores.

E o nosso jornal sabe que os empresários de sal do concelho estão, mais do que nunca, empenhados em colocar o sal de Castro Marim no patamar da certificação biológica, estando a decorrer nesse sentido diversas reuniões para acelerar o processo.

Dados da Cooperativa «Terras de Sal», que agrega produtores do concelho, demonstram o crescimento em toda a linha do negócio de sal. Atualmente 60% das salinas estão desativadas, uma percentagem menor em relação aos dados de 2011 [aquando realização de «Encontro sobre o Sal] que indicavam um abandono de 80%.

 

Publicidade
Partilhar

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.