EN125: Dia de Portugal foi dia de luta e de luto

0
46

Este feriado, Domingo, 10 de Junho foi dia de luto e de luta por aqueles que prometem não calar a sua voz enquanto a EN125 a sotavento não seja requalificada de forma estrutural como está prevista há uma série de anos. A verdade é que a iniciativa promovida pelo Movimento de Cidadania dos Utentes da EN125 a Sotavento denunciou mais uma vez as péssimas condições de circulação desta via que devido às portagens na A22 impostas no tempo da Troika se transformou numa principal artéria de circulação algarvia. In loco a pé e de bicicleta os utentes/manifestantes percorreram desde Cacela até Aldeia Nova, atravessando Altura, e se dúvidas restavam nem as obras de emergência a decorrer conseguiram disfarçar o mau estado desta que é conhecida como uma das estradas mais mortíferas do país.

Dentre os manifestantes destacava-se o deputado eleito pelo Algarve João Vasconcelos, do Bloco de esquerda, líder também da Comissão de Utentes da Via do Infante (CUVI) que mais uma vez referiu que “a necessidade urgente da requalificação da EN125 não está dissociada da necessidade urgente da abolição das portagens na A22”, prosseguindo a marcha lá estavam como tem sido habitual com este movimento cívico os presidentes de câmara de VRSA e Castro Marim. A compasso e a uma só voz, Conceição Cabrita (VRSA) e Francisco Amaral (Castro Marim) mostraram que é na rua junto da população que as palavras e as atitudes podem ter mais efeito. As televisões portuguesas registaram as imagens e os cartazes em punho lembravam que a EN125 é uma estrada em degradação quer falemos de asfalto, quer nos atentemos às bermas e à falta de sinalização vertical e horizontal.

Os responsáveis do Movimento cívico, Pedro Tavares, José Domingos, António J. Fernandes, Hugo Pena e Lucinda Pereira mostravam-se satisfeitos pela adesão da comunidade, referindo uma participação que excedeu as 200 pessoas, e não se cansam de repetir “não é de apenas alguns, mas de todos”.

Recorde-de que estão a decorrer as «obras de emergência» da EN125 que já começaram com cerca de 15 dias de atraso relativamente ao que havia sido anunciado. O Movimento e manifestantes relembraram que estas obras “não vêm resolver o problema” e que é preciso continuar a lutar para a EN125  a sotavento ter as obras estruturantes que têm vindo a ser sucessivamente adiadas e que “colocam em causa a segurança de todos e a imagem turística da região do Algarve”.

 

Publicidade
Partilhar
Susana Helena De Sousa
Formação Superior em Jornalismo (Carteira Profissional 9621): Especialização em Imprensa Escrita pelo Centro Nacional de Formação de Jornalistas (CENJOR) Formação media pela Representação da Comissão Europeia em Portugal Experiência em Jornalismo: Rádio (Voz D'Almada, PAL FM, Guadiana FM), Televisão (TVI, AXN, RTP, Canal História) e Imprensa Escrita (Jornal de Setúbal, Semanário O Algarve, Jornal i, Jornal do Baixo Guadiana); Tese de Licenciatura Bi-Etápica: «Serviço Público de Televisão», (publicação com entrevista a Carlos Pinto Coelho) Co-produção, realização e apresentação do programa de Rádio «Se Dúvidas Existem...», do Núcleo de Estudos e Intervenção Psicolõgica de VRSA Co-produção, realização e apresentação do programa «Viver Aqui», do Núcleo de Imigração da Cruz Vermelha Portuguesa de VRSA para o Alto Comissariado para o Diálogo Intercultural Assistente de Realização para Televisão Produtora para Televisão Escrita para Reportagens Televisivas Escrita de Documentário para TV «O Contrabando no Baixo Guadiana» Escrita do texto filme documental «Um Dia na Santa Casa», de Eduardo Soares Pinto Formação Avançada em Dança Contemporânea (CIRL) Formação Inicial em Teatro (TAS, Teatro O Elefante) Formação Inicial Interpretação para Televisão (Aloysio Filho pela ACT) Participação em antologia poética «5.50» (Poetas do Guadiana) Escrita de prefácio para obra editada (Os Poetas do Guadiana nos meios de comunicação social) e outra obra inédita Autora convidada do livro de contos «Ruas» de Pedro Oliveira Tavares e João Miguel Pereira Revisão de Livro de Contos inédito de Mouji Soares Curandoria de exposição de fotografia de Eduardo Soares Pinto, Espanha Co-organização da exposição internacional de arte «Minha Fukushima» na Eurocidade do Guadiana, da Peace and Art Society Organização da Exposição «Aline´s Project» em VRSA, da Peace and Art Society Apresentação de Galas Moderação de Debates e Tertúlias Apresentação de Livros Organização de eventos Co-fundadora do Eco&Design Hotel «Monte do Malhão» Co-fundadora da Mostra Internacional de Cinema «FRONTEIRAS» Voluntariado para a área da comunicação em IPSS's

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.