Monte Gordo: Obras em atraso levarão à abertura de cerca de 50% dos apoios de praia

0
383
Luís Romão, vice-presidente da câmara municipal de VRSA explicou perspetivas destas obras até 2019

Atualmente estão em funcionamento apenas dois estabelecimentos de restauração na frente de mar de Monte Gordo. No total serão 18, mas esta época balnear apenas deverá ter no máximo oito de portas abertas ao público. A confirmação foi dada no âmbito de uma Fam Trip organizada entre a edilidade pombalina e a Região de Turismo do Algarve e que transportou pelo concelho operadores turísticos, agentes de viagens e jornalistas do Algarve.

A véspera de verão tímida ainda não denunciou o real atraso das obras, tal como admitiu Luís Romão, o vice-presidente da câmara muncipal de Vila Real de Santo António. “Se estivéssemos com mais calor as pessoas já teriam sentido de outra forma estes atrasos das obras”, referiu, notando que “este ano é de transição, acreditando que em 2019 tudo estará a funcionar em pleno e as pessoas já se terão esquecido dos incómodos deste ano”. O autarca lembrou que em causa para esta requalificação estão, sobretudo, premissas “ambientais porque as estruturas que antes existiam eram compostas por materiais nocivos, bem como tinham fossas”, enumerou. Luís Romão, apesar de denunciar o constrangimento que o atraso destas obras causa mostrou-se conformado com os imponderáveis do momento e salientou que “o mais importante é que esta requalificação tão intensa corresponda aos níveis de qualidade exigidos”.

A autarquia garante que do que a ela diz respeito tudo “funciona bem”, referindo que os grandes atrasos devem-se a questões de empreitadas, incluindo problemas graves que causaram muitos meses de atraso face ao inicialmente previsto (que era o término das obras dos concessionários em Maio de 2018).

Em funcionamento apenas dois concessionários no início de Junho

O passadiço está acessível a todos e nele já se assomam em pleno funcionamento dois restaurantes. Um de grelhados e outro mais gourmet com base nos produtos locais. “O que gostaríamos de ver aqui nascer era uma oferta diferenciada e diversa com inovação, e para todas as carteiras”, aponta Luís Romão. O surgimento de bares com potencial para servir os clientes que procuram um final de tarde ou uma noite mais animadas e de convívio estão na lista de visão daquilo que o vice-presidente aponta como “inovador”, até porque como referiu “o objetivo é que Monte Gordo funcione o ano inteiro e não apenas no verão e com uma oferta de qualidade”, referindo o papel central que o passadiço de 3 quilómetros veio ter nesta nova dinâmica social e económica.

No pico do Verão (Julho e Agosto) as obras no exterior dos estabelecimentos vão ser suspensas e retomadas após o verão numa abrangência que incluem toda a marginal desta vila piscatória e calçadão.

De referir que esta requalificação abrangida pelo Plano de Ordenamento da Orla Costeira (POOC) é um projeto que envolve câmara municipal de VRSA, Associação Portuguesa do Ambiente e Autoridade Marítima.

 

Um dos apoios de praia já em funcionamento
Uma tímida véspera de Verão aguarda pelos turistas

 

Publicidade
Partilhar
Susana Helena De Sousa
Formação Superior em Jornalismo (Carteira Profissional 9621): Especialização em Imprensa Escrita pelo Centro Nacional de Formação de Jornalistas (CENJOR) Formação media pela Representação da Comissão Europeia em Portugal Experiência em Jornalismo: Rádio (Voz D'Almada, PAL FM, Guadiana FM), Televisão (TVI, AXN, RTP, Canal História) e Imprensa Escrita (Jornal de Setúbal, Semanário O Algarve, Jornal i, Jornal do Baixo Guadiana); Tese de Licenciatura Bi-Etápica: «Serviço Público de Televisão», (publicação com entrevista a Carlos Pinto Coelho) Co-produção, realização e apresentação do programa de Rádio «Se Dúvidas Existem...», do Núcleo de Estudos e Intervenção Psicolõgica de VRSA Co-produção, realização e apresentação do programa «Viver Aqui», do Núcleo de Imigração da Cruz Vermelha Portuguesa de VRSA para o Alto Comissariado para o Diálogo Intercultural Assistente de Realização para Televisão Produtora para Televisão Escrita para Reportagens Televisivas Escrita de Documentário para TV «O Contrabando no Baixo Guadiana» Escrita do texto filme documental «Um Dia na Santa Casa», de Eduardo Soares Pinto Formação Avançada em Dança Contemporânea (CIRL) Formação Inicial em Teatro (TAS, Teatro O Elefante) Formação Inicial Interpretação para Televisão (Aloysio Filho pela ACT) Participação em antologia poética «5.50» (Poetas do Guadiana) Escrita de prefácio para obra editada (Os Poetas do Guadiana nos meios de comunicação social) e outra obra inédita Autora convidada do livro de contos «Ruas» de Pedro Oliveira Tavares e João Miguel Pereira Revisão de Livro de Contos inédito de Mouji Soares Curandoria de exposição de fotografia de Eduardo Soares Pinto, Espanha Co-organização da exposição internacional de arte «Minha Fukushima» na Eurocidade do Guadiana, da Peace and Art Society Organização da Exposição «Aline´s Project» em VRSA, da Peace and Art Society Apresentação de Galas Moderação de Debates e Tertúlias Apresentação de Livros Organização de eventos Co-fundadora do Eco&Design Hotel «Monte do Malhão» Co-fundadora da Mostra Internacional de Cinema «FRONTEIRAS» Voluntariado para a área da comunicação em IPSS's

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.