Farol de VRSA tem cada vez mais visitantes. A história conta-se desde 1866.

0
36

São para lá de 200 degraus de uma escada em caracol que na chegada ao ponto mais alto recompensa-nos com uma vista deslumbrante. A cidade, o mar e o Guadiana ali tão perto aproximam-se ainda mais numa visita que percebemos, quando a fazemos, que se mostra imprescindível. O elevador é também um recurso essencial para muitos que não querem perder a oportunidade.

O Farol de VRSA tem a sua memória descritiva datada de 1 de Abril de 1884, sendo que a sua construção teve início em 1916. Mas é de destacar que o «Plano Geral de Alumiamento da Costa de Portugal», datado de 1866, da autoria do capitão-de-fragata Francisco Maria Pereira da Silva, na altura Inspetor-geral dos Faróis. Foi a 23 de Janeiro de 1923 que este farol entrou em funcionamente. Primeiramente num sistema que tinha como fonte luminosa a incandescência pelo vapor de petróleo, sendo eletrificado em 1927. A ligação à rede elétrica aconteceu em 1947, sendo que este farol em VRSA tem desde 1989 um sistema automatizado.

Portas abertas para celebrar o «Dia da Marinha»

Fomos ao Farol de Vila Real de Santo António para testemunhar as suas portas abertas numa data em que ao longo de uma semana se está a celebrar  o «Dia da Marinha» (20 de Maio), que evoca a chegada de Vasco da Gama à Índia. O capitão do Porto de VRSA e Tavira e comandante local da polícia marítima, Pedro Palma, acompanhou-nos e falou-nos da importância destas comemorações. “Trata-se de valorizar o património em que consiste o farol e toda a sua história e de mais uma vez chamar a atenção da comunidade local e visitante se aperceber que este é um edifício que podem visitar porque tem as suas portas abertas ao público e de entrada gratuita”.

Os faróis em Portugal abrem, assim sendo, as portas de forma gratuita para que todos os visitantes tenham a oportunidade de viver esta experiência e conhecer a sua importância na salvaguarda da navegação. Depois do passado fim-de-semana, estes equipamentos vão estar abertos a 19 e 20 de Maio entre as 14h00 e as 17h00.

É de referir que em VRSA esta iniciativa não é inédita por si só porque o farol em VRSA está aberto todas as quartas-feiras à tarde, igualmente com entrada gratuita, para quem deseje visitar.

Três faroleiros 24 horas por dia 365 dias por ano

Neste farol trabalham 24 sobre 24 horas três faroleiros ao longo dos 365 dias do ano. São eles também os responsáveis pela manutenção de todas as balizas de sinalização existentes ao longo do Guadiana, bem como nos molhes em VRSA e Tavira e no interior da Ria Formosa. Aqui, num dia-a-dia de trabalho em que há sempre um faroleiro de serviço encontramos histórias de vida a que já nos comprometemos voltar para fazer reportagem em breve no nosso jornal com os protagonistas.

Numa atitude inclusiva a Autoridade Marítima local tem também um papel social importante. Em 2017 quando aquando de um incêndio em VRSA que desalojou 6 famílias o farol acolheu uma dessas famílias. “Esta é uma das nossas missões”, garantiu-nos Pedro Palma, representante da Autoridade Marítima em VRSA, enquanto nos faz uma visita guiada a este farol que ilumina os navegantes.

Farol de VRSA vai receber concerto de Dead Combo

No próximo dia 30 de Maio à noite o Farol de VRSA vai ser palco para um concerto de Dead Combo e a projeção de um filme dos anos 30 do século passado, também de entrada gratuita. A iniciativa é do Cineclube de Faro que conta com a parceria da Autoridade Marítima local no âmbito do programa 365 Algarve. “A nossa preocupação é fazer com que a comunidade local nos sinta por perto para as mais diversas intervenções, entre elas a cultural”, remata Pedro Palma.

 

 

 

Publicidade
Partilhar
Susana Helena De Sousa
Formação Superior em Jornalismo: Especialização em Imprensa Escrita pelo Centro Nacional de Formação de Jornalistas (CENJOR) Experiência em Jornalismo: Rádio (Voz D'Almada, PAL FM, Guadiana FM), Televisão (TVI, AXN, RTP, Canal História) e Imprensa Escrita (Jornal de Setúbal, Semanário O Algarve, Jornal i, Jornal do Baixo Guadiana); Tese de Licenciatura Bi-Etápica: «Serviço Público de Televisão», (publicação com entrevista a Carlos Pinto Coelho) Co-produção, realização e apresentação do programa de Rádio «Se Dúvidas Existem...», do Núcleo de Estudos e Intervenção Psicolõgica de VRSA Co-produção, realização e apresentação do programa «Viver Aqui», do Núcleo de Imigração da Cruz Vermelha Portuguesa de VRSA para o Alto Comissariado para o Diálogo Intercultural Assistente de Realização para Televisão Produtora para Televisão Escrita para Reportagens Televisivas Escrita de Documentário para TV «O Contrabando no Baixo Guadiana» Escrita do texto filme documental «Um Dia na Santa Casa», de Eduardo Soares Pinto Formação Avançada em Dança Contemporânea (CIRL) Formação Inicial em Teatro (TAS, Teatro O Elefante) Formação Inicial Interpretação para Televisão (Aloysio Filho pela ACT) Voluntária para IPSS's na área da Comunicação Participação em antologia poética «5.50» (Poetas do Guadiana) Escrita de prefácio para obra editada (Os Poetas do Guadiana nos meios de comunicação social) e outra obra inédita Autora convidada do livro de contos «Ruas» de Pedro Oliveira Tavares e João Miguel Pereira Revisão de Livro de Contos inédito de Mouji Soares Curandoria de exposição de fotografia de Eduardo Soares Pinto, Espanha Co-organização da exposição internacional de arte «Minha Fukushima» na Eurocidade do Guadiana, da Peace and Art Society Organização da Exposição «Aline´s Project» em VRSA, da Peace and Art Society Apresentação de Galas Moderação de Debates e Tertúlias Apresentação de Livros Organização de eventos Co-fundadora do Eco&Design Hotel «Monte do Malhão» Co-fundadora da Mostra Internacional de Cinema «FRONTEIRAS»

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here