ARTIGO DE OPINIÃO: «Reduzir o crime, aumentar a segurança»

0
76
Uma educação adequada é capital para a realização do potencial humano, para o desenvolvimento social e mesmo para a construção da paz

O século XX ficou marcado por muitos acontecimentos que mudaram profundamente o mundo tal como o conhecíamos desde o final da segunda guerra. O colapso da União Soviética ditou o fim de um mundo bipolar marcado pela luta entre dois blocos e permitiu o acesso à democracia por parte de um grande número de países. Mas a fragmentação do poder nas relações internacionais e a emergência de novas potências também criaram novos focos de tensão que, num mundo crescentemente globalizado, acabaram por ter reflexos na própria União Europeia. Ao contrário das décadas anteriores, a segurança é hoje uma das preocupações dos cidadãos europeus.

É por isso que a segurança tem vindo a ser uma prioridade do Presidente Jean-Claude Juncker e da Comissão Europeia.

Há alguns dados encorajadores: entre 2014 e 2016, o número de ataques terroristas em território europeu diminuiu (de 226 para 142). Quanto aos suspeitos detidos, verifica-se um aumento significativo, de 774 para 1 077 – entre 2014 e 2015 – e um pequeno decréscimo em 2016, para 1 002 detenções, descida que poderá ser explicada pela diminuição do número de ataques.

Mas estas pequenas melhorias não são suficientes. A segurança tem que ser uma preocupação contínua e as exigências são crescentes. Depois de um primeiro pacote de medidas de combate ao terrorismo (outubro de 2017), a Comissão Europeia apresentou agora (abril 2018) novas propostas que visam privar terroristas e criminosos dos instrumentos e recursos com que diariamente ameaçam os nossos valores democráticos.

Uma das propostas a adotar respeita à segurança dos bilhetes de identidade. Com o propósito de reduzir a fraude documental, propõe-se agora a inclusão obrigatória de dados biométricos, nomeadamente impressões digitais e imagens faciais, nos bilhetes de identidade.

O financiamento do terrorismo é outra frente a contemplar. Regras mais rigorosas quanto ao intercâmbio de informações sobre as contas bancárias vão permitir que as autoridades acelerem a investigação de crimes graves, permitindo o acesso às contas bancárias dos eventuais suspeitos.

O dificultar do acesso aos explosivos também não foi esquecido. À lista já existente de substâncias proibidas, somam-se agora novos produtos químicos que deixam de poder ser vendidos, tanto em lojas físicas, como no mundo digital. É uma forma de evitar a produção de engenhos artesanais que têm sido muito frequentes nos atentados a que a Europa tem assistido.

A Comissão Juncker propõe ainda o reforço do controlo sobre as importações e exportações de armas de fogo, através da consulta do Sistema Europeu de Informação sobre Registos Criminais. Desta forma, conhecem-se os antecedentes criminais das pessoas que solicitam autorização para exportar armas.

Finalmente, propõem-se também mais ferramentas para recolha de provas eletrónicas, permitindo aos tribunais e à polícia um acesso mais fácil e rápido a mensagens de correio eletrónico e a documentos armazenados online.

O mundo está em constante evolução e muitos dos desafios com que nos confrontamos são globais e requerem uma resposta europeia. As iniciativas a nível europeu são, por isso, uma necessidade e assumirão seguramente uma importância cada vez maior na União Europeia.

Publicidade
Partilhar
Sofia Colares Alves
Chefe da Representação da Comissão Europeia em Portugal

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.