Obras de emergência na EN125 “é quererem mandar areia para os nossos olhos”

0
385

Esta semana começou com um anúncio da empresa Infraestruturas de Portugal (IP) que dava conta de «obras de urgência» em três estradas no Algarve, nomeadamente na EN125 no troço Vila Real de Santo António a Olhão, onde muito se tem reclamado obras estruturais. No mesmo dia o secretário de Estado do Planeamento e Infraestruturas deslocou-se ao Algarve para se reunir com os presidentes de câmara na sede da Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL). À partida o cenário poderia provocar euforia nos algarvios, nomeadamente naqueles que circulam na fatídica EN125 entre VRSA e Olhão, não fosse a natureza das obras previstas «para amanhã» muito aquém daquilo que “é a necessidade real no que toca à requalificação deste troço a sotavento”.

Hugo Pena (na foto), impulsionador do Movimento de Cidadania dos Utentes da EN125 a Sotavento não teve dúvidas em declarar ao Jornal do Baixo Guadiana que “estão a querer mandar areia para os olhos dos algarvios ao anunciar estas obras”. “Foram anunciados 1 milhão de euros de imediato, mas desde logo 500 mil euros vão diretamente para a obra da ponte do Almargem (Tavira). O restante terá de ser repartido pelas três estradas, sendo que a EN125 terá direito apenas a 85% dos 300 mil euros”. Feitas as contas “são cerca de 250 mil euros, pouco mais, para 38km de EN 125 completamente esburacada e a precisar de uma intervenção de fundo urgente”, contesta Hugo Pena. Este instrutor de condução garante que o Movimento que integra não vai desmobilizar forças “pelo contrário”, sendo claro que as obras de urgência agora anunciadas “não vão abafar as reais necessidades”.

“Lamentamos atitude do presidente da AMAL”

Este homem que diariamente percorre com os seus alunos, vezes sem conta a EN125 e contorna os inúmeros buracos que a compõem gostaria de ver “outra atitude por parte do senhor presidente da AMAL, Jorge Botelho, que não tem tido qualquer disponibilidade para esta nossa luta que é de todos, nomeadamente também do concelho onde é presidente (Tavira)”. Hugo Pena lamenta que “o presidente da AMAL se regozije com as obras anunciadas e se esqueça dos algarvios”. E acrescenta que  “foi dito esta segunda-feira também que as obras estruturantes vão avançar em 2019. Mas também sabemos que 2019 é ano de eleições legislativas…”, sublinha.

Vão avançar novas formas de luta pela requalificação da EN125 a Sotavento

Perentório Hugo Pena adiantou ao nosso jornal que esteve reunido esta segunda-feira à tarde com os presidentes de câmara de Vila Real de Santo António (Conceição Cabrita) e Castro Marim (Francisco Amaral) e que em breve vão ter lugar outras formas de luta, entretanto já anunciadas na tertúlia do passado dia 16 de Abril. “Em conjunto com estes municípios vão ser colocados outdoors a reclamar as obras estruturantes na EN125 e a denunciar, uma vez mais, o estado de calamidade em que se encontra”, anunciou ao nosso jornal o Movimento.

Em vésperas de 25 de Abril a determinação deste grupo mostra que esta luta só vai terminar quanto a EN 125 foram alvo de obras que custam milhões; “e não agora quando o investimento representa cerca de 5 mil euros por quilómetro e que pouco mais servirá do que para tapar buracos”.

 

Publicidade
Partilhar
Susana Helena De Sousa
Formação Superior em Jornalismo (Carteira Profissional 9621): Especialização em Imprensa Escrita pelo Centro Nacional de Formação de Jornalistas (CENJOR) Formação media pela Representação da Comissão Europeia em Portugal Experiência em Jornalismo: Rádio (Voz D'Almada, PAL FM, Guadiana FM), Televisão (TVI, AXN, RTP, Canal História) e Imprensa Escrita (Jornal de Setúbal, Semanário O Algarve, Jornal i, Jornal do Baixo Guadiana); Tese de Licenciatura Bi-Etápica: «Serviço Público de Televisão», (publicação com entrevista a Carlos Pinto Coelho) Co-produção, realização e apresentação do programa de Rádio «Se Dúvidas Existem...», do Núcleo de Estudos e Intervenção Psicolõgica de VRSA Co-produção, realização e apresentação do programa «Viver Aqui», do Núcleo de Imigração da Cruz Vermelha Portuguesa de VRSA para o Alto Comissariado para o Diálogo Intercultural Assistente de Realização para Televisão Produtora para Televisão Escrita para Reportagens Televisivas Escrita de Documentário para TV «O Contrabando no Baixo Guadiana» Escrita do texto filme documental «Um Dia na Santa Casa», de Eduardo Soares Pinto Formação Avançada em Dança Contemporânea (CIRL) Formação Inicial em Teatro (TAS, Teatro O Elefante) Formação Inicial Interpretação para Televisão (Aloysio Filho pela ACT) Participação em antologia poética «5.50» (Poetas do Guadiana) Escrita de prefácio para obra editada (Os Poetas do Guadiana nos meios de comunicação social) e outra obra inédita Autora convidada do livro de contos «Ruas» de Pedro Oliveira Tavares e João Miguel Pereira Revisão de Livro de Contos inédito de Mouji Soares Curandoria de exposição de fotografia de Eduardo Soares Pinto, Espanha Co-organização da exposição internacional de arte «Minha Fukushima» na Eurocidade do Guadiana, da Peace and Art Society Organização da Exposição «Aline´s Project» em VRSA, da Peace and Art Society Apresentação de Galas Moderação de Debates e Tertúlias Apresentação de Livros Organização de eventos Co-fundadora do Eco&Design Hotel «Monte do Malhão» Co-fundadora da Mostra Internacional de Cinema «FRONTEIRAS» Voluntariado para a área da comunicação em IPSS's

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.