Artista plástico fala da necessidade de se abrir caminho aos «loucos artistas» e «irreverentes filósofos»

0
80
"Dos loucos artistas. E porventura também de um punhado de irreverentes filósofos. Seja pois, aberto o caminho a estes bravos homens e mulheres. Reside neles a nossa derradeira oportunidade de salvarmos este lindo Planeta azul. Reside neles o nosso futuro, já tão presente"

«Os loucos dos artistas»

Vivemos num estranho tempo que em que a imprevisibilidade e imbecilidade do ser (desu) humano está em “perfeita” sintonia com as evidentes alterações climáticas. Monções e tufões no oriente, furacões e tempestades tropicais a ocidente, mortíferos terramotos um pouco por todo o lado e longos ciclos de secas extremas em Africa são alguns exemplos elucidativos de que o planeta diz basta, reagindo à irracionalidade e ao completo desrespeito com que a generalidade dos sucessivos dirigentes das nações mais poluidoras mundiais lida com os diversos recursos naturais, património de todos.

Sendo opinião quase unanime que a inevitabilidade de catastróficos desastres naturais será uma preocupante constante nos anos próximos, não deixa também de ser uma quase irrefutável verdade que a sustentabilidade do actual modus viventi da maioria dos países tem o fim à vista.

Contudo, o que está verdadeiramente em causa é a natureza do Ser. Se observarmos com a devida atenção o comportamento de todos os outros seres vivos, animais e vegetais, com os quais (mal) coabitamos, podemos concluir sem qualquer esforço intelectual, que tudo existe segundo uma ordem própria, pragmática e incrivelmente simples.

Creio que no inicio dos tempos, os humanos, então mais próximos da sua verdadeira essência, terão também sido respeitadores dessa forma pura de existência, que seculo após seculo, se veio a perder sendo que nos tempos que correm a natureza humana pouco tem de extraordinário ou simples, salvaguardando raríssimas excepções.

Ela define-se por parâmetros ambíguos e incoerentes, sendo um dos mais notório o egoísmo. Buscamos nos outros e no que nos rodeia, o nosso nano espaço, absorvendo para proveito próprio tudo o que pudermos, nada importando o que deixamos para trás. Porém, aparentemente hermético, o nosso espaço é tudo menos nosso. As chamadas redes sociais apenas vieram acentuar esse distanciamento da nossa real essência.

Poderá -se então concluir que o fim estará próximo e que tentar mudar o curso dos acontecimentos será tarefa inglória e própria de visionários.

Sim, seria esta a conclusão mais óbvia, não fosse a coragem destemida dos artistas.

Dos loucos artistas. E porventura também de um punhado de irreverentes filósofos.

Seja pois, aberto o caminho a estes bravos homens e mulheres.

Reside neles a nossa derradeira oportunidade de salvarmos este lindo Planeta azul.

Reside neles o nosso futuro, já tão presente.

 

Paulo Duarte Filipe

Publicidade
Partilhar
Paulo Duarte Filipe
Paulo é um artista autodidata. Sua criatividade abrange várias disciplinas, tais como: escrita, poesia, pintura, gravura em madeira, cerâmica Raku, instalações, retratos, arte urbana .... Desde 2012, dedicou-se ao cinema, participou de vários filmes como ator e também dirigiu mais de 20 filmes. A sua curta-metragem «Filipe» foi selecionada em 2014 pelo Festival de Cannes na categoria Short Film Corner. Durante sua carreira artística foi membro do júri competições e festivais de arte e cinema. Em 2011, Paulo lançou com mais alguns artistas portugueses, uma nova sociedade da arte chamada Peace and Art Society-PAS, da qual foi presidente até 2015. Paulo já exibiu em muitas galerias de arte diferentes: Portugal, EUA, Inglaterra, Brasil, Grécia, Irã, Coréia do Sul, Áustria, Espanha, Finlândia, e de outros países. O seu currículo e obras de arte são publicados em numerosas publicações de arte nacionais e internacionais. De referir que no Baixo Guadiana já marcou presença, nomeadamente, através da Peace and Art Society com a exposição internacional de arte «Minha Fukushima», bem como «Alena's Project»

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.