ALZHEIMER: Técnicas de comunicação: 2a fase ( confusão temporal)

0
89

O doente de Alzheimer  na segunda fase é inseguro nos movimentos, caminha com os ombros descaídos e a cabeça baixa… usa um tom de voz baixo e fala lentamente. Todo o ambiente é confuso, devido ao decadimento do pensamento racional, da vista e do ouvido.

Exprime as emoções, mas não recorda os factos ( o porquê daquela emoção)

As experiências de vida dão-lhe sabedoria intuitiva: conseguem distinguir, quem é sincero e quem finge.

Recordam as sensações sensoriais(boas) da infância, mas não escutam as pessoas no presente… são fantasiosas e contam histórias “inventadas” para esconder a sua dificuldade cognitiva actual.

Gostam de um abraço e de um contacto sincero!

A relação de confiança é muito importante para se conseguir ajudar nesta fase da doença!

É importante que exprimam as emoções sem que sejam julgados, interrogados ou expostos (precisam de intimidade e respeito)

Precisam de ser “gratificados” com elogios e valorizando o que fizeram, no passado, sobretudo na familia e na profissão ( bom pai, boa mãe… bom profissional)

Estes doentes têm muito medo do escuro, do desconhecido, da morte… É necessário que estejam num ambiente que conhecem e tratados com carinho, por pessoas que amam o que fazem, com sensibilidade e coração! (devemos tratar, como gostariamos de ser tratados).

Normalmente, procuram a mãe e dizem «vou para casa»…

A mãe é a segurança, é o amor que precisam e nós devemos ajudar a recordar a mãe e os bons momentos vividos com ela, sem falar de morte ou mentir… simplesmente, ajudar a recordar!!

Ir para casa, é procurar a casa da infância…por isso, não devemos contrariar, dizendo: “não pode ir” “já não tem casa”…. acompanhamos e falamos das boas recordações desse tempo, até que (lentamente) desviamos o percurso e voltamos para trás, sem que o doente se aperceba; fica tranquilo e não se sente enganado!

Mais uma vez, espero de ter sido útil…

Publicidade
Partilhar
Isabel Pereira
Chamo-me Isabel Maria Martins Pereira, tenho (quase) 54 anos e nasci em Balurcos de Baixo (Alcoutim). Estudei até aos 11 ano em Vila Real de Santo António, mas depois casei cedo e tive de emigrar para a Suiça... (em 1985) Até aí a minha ideia era a de ser "educadora de infância", mas como interrompi os estudos, emigrando, tive de fazer limpezas em hotéis... foi o que pude arranjar.... Os anos foram passando e eu, dedicada à família e com o sonho de ter uma casa, esqueci-me de mim e do que eu gostaria realmente de fazer! A um certo ponto da minha vida, entrei numa crise existencial e percebi que não tinha estudado para fazer limpezas, não estava satisfeita com a vida que levava... havia algo que enchia o meu coração... era ajudar o próximo (sobretudo os idosos). No estrangeiro nada cai do céu e se eu queria algo diferente iria ter de enfrentar muitos sacrifícios, ir à escola (2 anos) com a dificuldade da língua, a discriminação, a gestão da família e da casa, etc... mas fui corajosa e consegui um diploma de assistente de enfermagem. Agora, há já 17 anos que trabalho numa casa medicalizada para idosos, cuidados continuados e doenças terminais... Sempre gostei imenso do que fazia, mas percebi ao longo destes anos, que tenho uma paixão particular por doentes de Alzheimer!!!! Hoje, depois de uma operação à coluna (não posso esforçar com pesos) dedico-me completamente a pessoas com Alzheimer ou outro tipo de demência...Pois, ainda quando estava bem, fiz uma formação que me ensinou as técnicas de comunicação com estes doentes ( Operadora VALIDATION) e, assim, ajudo comunicando e dando a estes doentes a possibilidade de exprimir as emoções e resolver conflitos do passado para, nesta fase, viverem com mais serenidade e para que possam morrer em paz!!!! Tudo o que faço enche o meu coração e sinto, dia após dia, não um trabalho, mas uma missão! Espero de poder reformar-me aos 60 anos e dedicar-me a esta missão (de forma voluntária) seja em Portugal, seja na Suiça... O que eu mais gostava, era de ser útil às famílias que têm de cuidar de um doente de Alzheimer e, muitas vezes, não sabem como reagir, o que responder, o que pode ajudar, o que fazer (?!) Há muitos profissionais nesta área e todos são necessários... a minha ajuda pode ser só "uma gota no oceano" mas necessária também. Espero de ser útil.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.