Bloco de Esquerda traz todo o grupo parlamentar para protesto contra as portagens

0
62
(Imagem de Arquivo: João Conceição. Bloquistas mantém luta contra portagens na A22)

Os deputados do Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda, de visita ao Algarve no âmbito das Jornadas Parlamentares, participam numa marcha na Estrada Nacional 125 contra as portagens na A22.

A presença de todo o grupo parlamentar do Bloco servirá para mostrar que aquela estrada “não é alternativa nenhuma e que isso devia resultar no fim das portagens na A22”, pode ler-se no comunicado de imprensa enviado às redações.

As portagens na Via do Infante e obras em curso na EN125, transformou esta numa das estradas do país com maior registo de vítimas: no ano de 2016 ocorreram no Algarve 10.241 acidentes – dos quais resultaram 31 mortos e 158 feridos graves -, mais 751 do que em 2015 e mais 1.903 acidentes do que em 2014. Só no mês de agosto foram registados cerca de 50 acidentes de viação por dia!

A tragédia agrava-se no Algarve: de 1 de janeiro a 15 de maio de 2017 já houve 3.245 acidentes, com 13 mortos e 64 feridos graves, quando no mesmo período de 2016 foram 3.164 acidentes com 7 mortos e 53 feridos graves, e em 2015 ocorreram 2.847 acidentes com 12 mortos e 57 feridos graves. Um autêntico “estado de guerra não declarado” no Algarve, afirma o deputado João Vasconcelos e acrescenta que “além dos muitos milhões pagos pelo Estado à concessionária todos os anos, a Via do Infante foi paga com verbas da União Europeia. As portagens também prejudicam muito a atividade económica na região”.

“António Costa reconheceu que a EN125 era um «cemitério», mas ainda nada fez. Vamos exigir que António Costa cumpra a palavra dada – acabar com as portagens”, dizem bloquistas.

De referir que o protesto realiza-se no sábado de manhã, com arranque previsto para as 10h30, e terá lugar entre a rotunda da antiga EDP e a rotunda da FATACIL, em Lagoa.

Publicidade

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.